quinta-feira, 3 de janeiro de 2008

Cortando o tempo

A patrocínio do Mercadinho Manaíra, denuncia-se, num calendário estampado com aquelas fotos, sem nenhum senso, de bebês europeus de bancos de imagem, o ciclo da vida na minha geladeira. É um novo ano! E agora?!

Geralmente, nessa época de comecinho de ano as pesssoas se apegam numa 'linha'. Para uns nada mais pabuloso do que resoluções de ano novo (ou seja a 'fazeção de listinhas'), preferem "não-esperar-para-amanhã-o-que-você-pode-fazer-hoje" achando que a virada nada mais é do que uma novidade que nunca acaba. Outros, como eu, e como a maioria (acredito), depositam toda fé nesse ritual antropológico de passagem, o ano começando com aquela sensação de que a vida pode mudar para melhor. eba!

A propósito, minha amiga junkie, porém sábia, Natália me mandou por depoimento uma mensagem (vai ser uma explanação triste se alguém recebeu o mesmo conteúdo, denunciando o envio em massa, viu Tuxa Maria?) que se referia ao seguinte texto de Carlos Drumond de Andrade:

Cortar o Tempo

"Quem teve a idéia de cortar o tempo em fatias,
a que se deu o nome de ano,
foi um indivíduo genial.
Industrializou a esperança, fazendo-a funcionar no limite da exaustão.
Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e entregar os pontos.
Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra vez, com outro número e outra vontade de acreditar que daqui pra diante vai ser diferente."

Sei, obviamente, que o tempo é contínuo e calendários são apenas convenções de um ciclo que se renova e repete a cada ano. Mas, oras!, tudo está em constante mudança, tudo cicla, o mundo dá voltas, né isso? E é por conta dessa voltinha, de mais uma translação da terra ao redor do sol, que existem os calendários, que existem as convenções.

A natureza é bem sábia na questão. Existem ciclos reprodutivos, ciclos menstruais, ciclos do carbono na atmosfera, as estações do ano, o movimento das águas. Até os parasitas, esquitossomos e trematódeos se desenvolvem em ciclos, poxa! Tudo tem um ciclo, um ritmo, para que se desenvolva, ou, para que não canse.

Mas mais do que começar planos inéditos, importante é desfazer nós, é melhorar o que já fazemos, voltar a praticar o que se costumava fazer. Que cada movimento tonifique outro; que a vontade de deixar a linguagem do meu trabalho monográfico bem acessível e longe do juridiquez comum acabe por despontar num prazer de escrever nesse blog; que com o término do curso, novas mudanças, novas viagens, surjam novos interesses e grandes oportunidades; que malhando mais pernas eu, consequentemente, force mais os músculos abdominais, tipo malhe um leve dois!; que comendo menos carne vermelha eu possa salvar uma vaca da morte no mundo; que realizando mais encontros lá em casa eu tenha mais amigos contribuindo no rodízio da pizza; que fazendo mais horas-extras eu consiga mais créditos para folgar às sextas; que com Mercado Manaíra - agora - aceitando Mastercard eu compre mais e pague menos e troque tudo por milhas...

Realmente, tem coisas que só um Ano Novo faz por você!

Playlist : I can see clearly now - Marisa Monte

2 comentários:

Natália disse...

Junkie, porem sabia!
hahahahha
um tapa e um beijo ne!
Otimas palavras... ótimo texto!
vc ta ficando bom nisso, e menos 'advogado', o que permite para muitos leigos, como eu, entender o texto por completo! hahahahaha
E que 2008 seja igual ao slogan-jungle da Globo
"2008: Sonhos serão verdades"

Que assim seja, e os anjos digam AMÉM!

Saudades!
=*

Fortes disse...

00793Humm
sabia q o album da M.I.A. foi eleito o melhor do ano pela rolling stones?
Tava escutando esse dias
é legalzinho....
Ja a da foto
é Sylvia Plath
ja tava com overdose de virginia woolf aqui
hehehehhehe
Sylvia tbm é mt boa
Procura o livro
Redoma de vidro
ou assisteo filme Sylvia com gwyneth paltrow.
vale a pena
o vazio é + emocioanl mesmo
a cabeça ta cheia
cheia até +......