domingo, 15 de fevereiro de 2009

mistério do planeta, nº 02

Escrevo, e só através desta eleita por mim a melhor forma de expressão que consigo, enfim, espantar as interrogações e insatisfações que tenho a respeito desse mundo ignorante e fastidioso. Não que não existam frações de entusiasmo, que não se conheça uma porção positiva da vida que faça tudo valer a pena. Pelo contrário. Talvez a idéia mais verdadeira que já nos apresentaram a respeito da vida é ela ser feita de pequenas porções de felicidade. E esses fragamentos felizes constumam ser muitos, a maior parte, as vezes até produzidos em série. Mas me incomoda mesmo é o resto, a porção mínima e incoveniente. Para registro da grande maioria feliz da vida, posto fotos no orkut. O que não me dá muito trabalho: me posiciono, abro um sorriso e pronto! Flash!, um instante de vida que não me deixa duvidar que a felicidade é exatamente aquilo alí. Já por aqui, publico não só o meu reflexo, mas o meu reflexivo. Despejo o que não é tão instantâneo, o que me dá trabalho e não é possível capiturar apenas num flash de pensamento. E, me insinua que a felicidade pode ser mais que tudo isso. Eu, que jamais me habituei à comodidade da vida repleta de momentos felizes, me intrigo com as excessões, com o que Ainda não é. E interrogo, intercepto, pergunto: qualé? Mas poxa!, daí já não sei se o problema é querer mais do que me cabe, ou se sou também aquilo que não se quer, não se fala e não se escolhe. Mas com tudo, sou inteiro.

7 comentários:

Larissa disse...

'pequenas porções de felicidade'.
Seu texto foi ótimo. Também sinto que esses instantes passageiros de felicidade são mais fácil de externar. os outros todos, menos interessantes para as outras pessoas, são os que sobram para guardarmos. O problema é que essa tarefa vai tornando-se complicada. Chega um momento em que é preciso compartilhar até mesmo a monotonia da rotina.
Mais ainda, chega um momento em que é preciso compartilhar o que somos por dentro.
Voltarei aqui, e estou acompanhando, para compartilharmos todos.

ViNícULa disse...

gostei do texto
esses fragmentos são cheios de muitas coisas estranhas
muitos sentimentos distintos
porque sempre há a possibilidade de uma felicidade imensa se tornar uma grande depressão em questão de... instantes

o importante é não se deixar abater pelos fragmentos que nos fazem pensar em desistir


ah
uma dica
muda um pouco as cores do blog
tem muito pedaço da barra lateral que só é possível ler selecionando o texto...

# vitor martins' disse...

Hm, agora é sério.
Eu não sei como pessoas como você conseguem ler as coisas que escrevo no blog.

Quero dizer, você escreve tão bem.
Coisas lindas e reflexivas e panz!
E eu? Hm, digo a minha opinião sobre acontecimentos com celebridades do Disney Channel D:
AIUAHIUAHAUIHAUIHAUIH'

Espero que eu seja como você quando eu for mais velho.
Obrigado por me ensinar um pouco mais sobre "como escrever"

Boa semana ;*

Ana Fontes disse...

Adoro esse blog!
E adorei os seus instantes de felicidade no Orkut! Rs! É invadi... Você deixou!!! Rs!
Mas é isso mesmo: estranha essa sensação de sermos um complexo-incompleto-sem-sermos!
Somos assim!!!
Beijos e boa semana pra ti!

Minnie_ disse...

Ai como eu adorei esse texto!
Às vezes essa comodidade toda me enche o saco, eu quero questionar tudo, quero filtrar os graus.
Mas todos parecem fingir que o que se tem basta, essas migalhas de felicidade bastam. Um senso comum, uma forma de não pensar.
E se é pra remar contra a maré, que seja inteira mesmo.

Um beeijo!

Kenia disse...

Olá! Excelente jornalista vc!

Séfora disse...

É! A curiosidade matou o gato mesmo; tomei a liberdade (ou tive a audácia) de espiar teu orkut =P