domingo, 11 de janeiro de 2009

no top de 5 segundos...


Retrospectiva: palavra que, geralmente, só ouvimos na ocasião dos últimos dias que antecedem a virada de ano. Mais que um exame de consciência, o termo que vem do latim Retrospectare (espetar atrás) sempre esteve relacionado com o exercício de memória que bem ou mal nos auto-estipulamos a cada intervado de doze meses.

Carlos Drumond de Andrade, uma vez, considerou genial o indivíduo que teve a idéia de cortar o tempo em fatias, industrializando a esperança que se renova no limite da exaustão a todo ciclo. Penso que se algum bem-aventurado resolveu industrializar o tempo, ótimo!, pelo visto, só nos restou, então, comeciar as retrospectivas de um ano.

O ser humano é uma obra perfeita mesmo!, veja, conseguimos transformar a retrospectiva num subproduto do comércio: serviço sem qualidade e resoluções a baixo custo, de preferência,de forma rápida e de fácil digestão. Momento de refletir? Que nada! É hora de fechar a conta e passar a régua.

E graças à cultura pop das listas, retropesctiva virou panetone e, no final das contas acabamos simplificamos ao máximo o exercício historiográfico em diversos rakings e top pareds. Passamos a cultuar as lembranças do passado de forma caricata e preguiçosamente fácil. Engraçado foi como consiguiram embrulhar um substantivo - retrospectiva -, que de pronto nos remete ao passado, de uma forma tão próxima ao adjetivo 'previsível'. Agora, essas palavras além de óbvias, quase sinônimas. Tudo o que precisamos é valorar, sob quaisquer parâmetros que nunca importam, os fatos do ano e fazer a relação.

Nessa capitalização do ano que ficou pra trás, quase que sempre o resultado final é o mesmo. Todo ano, tudo igual: todas as maiores desordens e tragédias criminais e policiais de destaque na mídia envolvem algum personagem da classe média; ribulações políticas e judiciais dos mais inéditos e inimgináveis casos de corrupção nos país dOs Bruzundangas que nos parecem sempre mais apáticas; provavelmente um grande time cai para a segunda divisão; certamente o campeão do Big Brother Brasil estará na lista das personalidades do ano, ao lado da atriz que faz a vilã da novela das oito (a mais vista dos últimos tempos), destaque também. O mundo se derretendo e a floresta queimando... e nós aqui.

Gostamos da condição de telespectadores e os especiais televisivos de fim de ano.

Não parece simples? Nada menos difícil do que a tarefa de retrospectar. Tudo muito fácil de prever. Certo cantavam os Mamonas Assassinas, uma letra de música onde começa com a pérola do óbvio ululante: "no mundo animal exeste muita putaria"... e mais pra lá a máxima:"e as vaquinhas que por onde passam deixam um rastro de bosta". Colocando o rastro da vacas mais próximo do que se imagina, quase uma analogia lulística. Original.

Diferente do que conseguimos sem interesse: tornar mais óbvio o próximo ano, aquela fatia fruto da idéia tão genial do indivíduo que dividiu o tempo.

4 comentários:

Séfora disse...

Voltou! Mais afiado que nunca heheheheheh
Xeroooo

Amanda disse...

Oi Heber, obrigada por comentar, aquela professora estava preparando sua demissão! Beijos

Victor Borba disse...

Gostei do estilo bem direto, parabéns cara e valeu pelo comentário lá no meu blog.

A Flor do Sul disse...

Retrospectiva de fim de ano não é assim tão ruim, vá...
Se a gente fizesse uma retrospectiva da nossa vida antes de ir dormir, talvez as retrospectivas de 31 de dezembro nem sequer existiriam...
Gostei do teu tom. É um goste ler tu.