sábado, 28 de junho de 2008

Quadrúpede

Lembro que quando criança costumava andar apoiado nas mãos mesmo muitos anos depois de ter aprendido a andar. Mas, diferente de como fizeram-me acreditar, não costumava engatinhar para aparecer. Fazia - e isso me é bem mais claro hoje - porque gostava de enxergar o mundo através de um ângulo diferente. Era bom ver como as coisas funcionavam numa outra perspectiva. E nessa brincadeira, as árvores ao invés de estarem apoiadas no solo, mergulhavam no céu azul. Nas casas entrava-se por cima. Havia mãos no lugar de pés. Desde então, lidar com o mundo, quando tudo se está de cabeça para baixo, pode ter um gosto de brincadeira, passatempo. Passa tempo!

7 comentários:

Mia disse...

Lidar com o mundo... tô querendo uma folga disso, porque lidar com o mundo, suas sujeiras, feiúras e irritações cansa - e muito... não tá dando pra brincar, não... =T

Tom S disse...

:) Também acho que é esse o caminho

Rafael Campos disse...

eu faço isso com os meus óculos

quando quero ver o mundo diferente, eu os tiro

e começo a perceber a outra realidade

Biani Luna disse...

o melhor é o fato de termos opções de como queremos enxergar o mundo ;)
beijo

Lile disse...

Lembra de Sociedade dos Poetas Mortos? Mudar a perspectiva é mesmo fundamental. Só assim a gente vê que nem tudo é o que parece ser. E viva a criança que ainda há lá dentro!
Bjo

Puzzo disse...

As vezes prefiro fechar os olhos e me render aos sons ...

Natália disse...

quero provar a caipirinha de saque.
\o/

De perto ou de longe. Sempre perto acompanhando-o.

Lov u!!

Miss u!